Hábitos e crenças

 

shutterstock_115208812

A emocionalidade é um recurso característico dos  mamíferos, cujo objetivo é melhorar a capacidade de reagir e fazer escolhas diante dos estímulos externos, aperfeiçoando as chances de sobrevivência dos indivíduos das varias espécies.

Como tudo na Natureza, este expediente comportamental embute um ônus: predispõe os mamíferos ao condicionamento, outra ferramenta evolutiva. Esta inclina os animais à automatização de procedimentos que o cérebro, e principalmente, a emocionalidade, considerem prazerosos ou vantajosos. Uma vez incorporados, tornam-se hábitos e são executados automaticamente, como é o caso, para os humanos, por exemplo, do ato de dirigir um carro.

Muitas dessas condutas já vêm no kit genético e outras tantas são aprendidas e fortemente influenciadas pela família, época e local em que o individuo nasce.

O nosso cérebro institui novos padrões de sinapses na medida em que temos novas experiências,  e predispõe esse órgão a criar modelos sinápticos, ou seja, a empregar sempre a mesma trilha neurológica, todas as vezes que um evento apresentar semelhança com uma experiência passada, pois, ao invés de criar um novo padrão nervoso, ele buscará o caminho mais fácil, que demande o menor custo energético ou risco.

Assim, explica-se o comportamento condicionado, em um continuum de automatização, que prossegue por toda a vida.

A reprogramação emocional é uma ação subversiva ao padrão condicionado, permitindo que, por meio de um sistema de ordens verbais, adotemos novos hábitos comportamentais, mais inteligentes, substituindo outros que consideremos desatualizados.

Baseia-se em  um conjunto de modelos mentais que, pela repetição, ensejam a mudança de crenças, auxiliando o praticante na conquista da excelência, em termos profissionais e pessoais, propondo a autossuperação e o aprimoramento contínuo.

O segredo do sucesso, neste tipo de treinamento, está na reprodução sistemática, pois se levamos décadas aprendendo a ver e crer de uma determinada maneira, necessitaremos de muita reprise de comandos para compensá-las e inserir uma nova visão da realidade, mais lúcida, positiva e eficaz.