Eu me lembro…

derose1

À História, prefiro a Mitologia.
A História parte da verdade e ruma em direção à mentira.
A Mitologia parte da mentira e se aproxima da verdade.
Jean Cocteau.

Eu me lembro… e em seguida deslembro. Desde pequeno recordo-me de sonhos, de imagens do inconsciente, de símbolos da minha mente.

Não quero saber o que são essas lembranças. Não quero saber, porque todas as vezes em que interrompi o livre fluxo das recordações para questioná-las com a causticidade da logica, elas foram podadas e não prosseguiram. E algumas eram tão doces! Como pude interromper lembranças tão ternas com a lâmina fria do intelecto? Só para me vangloriar comigo mesmo: “sou racional”!

Que vantagem há em ser racional? Se o onírico é tão rico e tão belo? Portanto, não me pergunte que lembranças são essas. Não quero saber. Quero que fluam. E que continuem sempre, simplesmente, fluindo. Quero sorrir com elas. Quero verter lágrimas de emoção com elas. Quero compartilhar com você essas emoções. Venha comigo, viajar pelo passado, ou pelo futuro, ou por alguma dimensão subjetiva, na qual poderemos nos esquecer do mundo como ele é hoje, e da objetividade do concreto e do ângulo reto. Venha. Vamos viajar pelas minhas memórias. Quem sabe se, lendo estas recordações, você não se recordará também?

Texto extraído do livro “Eu me lembro” do Preceptor DeRose.