Desvendando o Stress

Stock-Image_50572216_ml-No-Stress-300x200

 

Desvendando o Stress

 

Uma das primeiras teorias do stress, apresentada pelo fisiologista Walter Bradford Cannon em 1914, ainda antes da palavra ser utilizada com o sentido atual, foi a chamada “teoria da luta ou fuga” (fight-or-flight). Segundo essa teoria, baseada nas reações de animais e humanos, em situações de emergência, o organismo se prepara para “o que der e vier”, ou seja, para lutar ou fugir. A fuga gera um aumento de adrenalina. O stress então foi definido como uma resposta fisiológica e comportamental a algo que aconteceu ou está para acontecer que nos faz sentir ameaçados ou que, de alguma forma, perturba o nosso equilíbrio.

Estudos empíricos também observaram outro tipo de reação, chamado “busca de apoio” (tend-and-befriend). Essa outra reação ao estresse caracteriza-se pela busca de apoio, proteção e amizade em grupos.

Hoje em dia já se tem um conhecimento mais amplo sobre o assunto, devido ao aumento de causas e efeitos do stress nos indivíduos.

Entende-se stress como um conjunto de alterações biológicas detonadas quando as pressões sobre o nosso corpo são maiores do que podemos suportar. Estas alterações biológicas ajudam-nos a responder melhor a estas pressões, porém, quando mantidas por muito tempo, acabam enfraquecendo nossas defesas, deixando-nos a mercê das principais doenças decorrentes do stress: hipertensão arterial, fadiga, insônia, ansiedade, úlcera, gastrite, etc, e o stress deixa de ser proveitoso e começa a prejudicar gravemente a saúde, a alterar o humor, a produtividade, os relacionamentos e a qualidade de vida, em geral. São as diferentes fases do stress.

Podemos definir o stress como o “desgaste” que o nosso organismo sofre à medida que nos relacionamos com o meio em constante mudança. O stress é benéfico ou prejudicial dependendo da forma como reagimos ao ajuste que temos de fazer em diferentes circunstâncias da vida.

Inicialmente, o stress pode ser positivo.  Sem stress, a civilização como a conhecemos, não seria possível. Imagine os primeiros homo sapiens sem ter que se preocupar com nada, tendo tudo ao alcance das mãos: comida, abrigo, segurança, etc, sem nunca ter que passar pelo sentimento de fuga, com certeza ainda estaríamos vivendo daquele jeito.

Entende-se que o stress não é algo ruim se for equilibrado. Afinal, sem ele, o ser humano ficaria vulnerável e não conseguiria lutar, trabalhar ou criar com a necessária agressividade.

Mas o stress passa a ser prejudicial quando é excessivo ou se tem falta de controle sobre ele. Devemos saber reconhecer os seus sinais e sintomas e, consequentemente, tomar medidas para minimizar os efeitos do stress.

O corpo todo funciona como uma orquestra afinada que quando diante de uma grande tensão, apresenta cansaço de alguns de seus “membros”, os quais começam a dar sinais de cansaço e já não trabalham mais em sintonia. A orquestra do corpo toca o ritmo da vida, com equilíbrio preciso. Porém, quando o stress ocorre, esse equilíbrio é quebrado e não há mais entrosamento entre os vários órgãos e cada um trabalha em um compasso diferente.

Segundo especialistas, nossa natureza busca o equilíbrio por um impulso natural e, quando este não acontece, o organismo faz um esforço extra para restabelecer o equilíbrio anterior. É esse esforço que vem a ser a resposta adaptativa do ser humano, que às vezes exige um considerável desgaste e utilização de reservas de energia física e mental.

Quando esse esforço atinge o limite que o indivíduo poderia suportar, e quando os estímulos estressantes são contínuos e de longa duração, ele pode se transformar em doenças.

Se você quer saber mais sobre stress, compreendê-lo e administrá-lo de forma inteligente e produtiva para utilizar essa energia a seu favor, venha na palestra sobre Gestão do Stress, dia 20 de março, às 21h.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s