Os aliados da concentração

shutterstock_64474027.jpg

Os aliados da concentração

Concentração

Concentração é a habilidade que todo ser vivo tem de manter a sua atenção focada sobre o que desejar pelo tempo que ele determinar. Este atributo aprimorou-se no Homem e, adicionado à sua capacidade criativa e ao trabalho cooperativo, transformou-o num adversário formidável para as demais espécies, caça ou predador.

concentração indica a qualidade individual de perceber simultaneamente os estímulos provenientes da realidade externa, tais como sons, movimentos e aromas, e interna, como sentimentos, ideias e reflexões, combinando-os ou não. Quanto mais desenvolvida for esta capacitação, maior as possibilidades de sucesso evolutivo de um mamífero, pois conseguirá identificar uma ameaça ou uma oportunidade com muita antecedência.

Os aliados da concentração

Existe um pequeno número de atributos, de atitudes, que quando exercitados continua-mente, funcionam como um substrato energético, uma fonte de poder pessoal, ampliando nossos níveis de impecabilidade e autoestima, alavancando nossa capacidade de realização, gestão de tempo e pessoas, habilidades de negociação, qualidade de vida e competitividade.

Estas atitudes destravam potencialidades adormecidas, acordando-nos para uma nova realidade de oportunidades e possibilidades, onde a concentração se torna uma habilidade natural:

Disciplina

Consiste em obediência à regras de cunho interior; firmeza, constância. Significa adotar um novo comportamento, mais inteligente e competitivo, e mantê-lo até tornar-se um hábito.

Tradicionalmente, inícios de semana, mês e ano são os períodos escolhidos pelo Homo urbanus para realizar mudanças de hábitos. Sua carga simbólica insufla uma disciplina que perdura até às quartas-feiras para depois soçobrar devido à força inconsciente dos velhos costumes arraigados.

Devemos entender que a disciplina é a adoção de uma atitude sem data para iniciar. Está muito mais conectada ao poder que ele pode e deve exercer sobre cada instante do seu cotidiano, aplicando determinação sobre as milhares de ações condicionadas que envolvem a vida afetiva, relacional, saúde e trabalho.

Ao praticar a vontade sobre uns poucos comportamentos condicionados, modificando-os e mantendo-os através da disciplina, aqueles transformam a substituição de hábitos num hobby, um passatempo, o que convenhamos, deixará seu dia-a-dia mais divertido, criativo e inovador. Assim, sua visão sobre o cotidiano muda, pois incluirá novas e sucessivas oportunidades de aprendizado e crescimento, deixando-o mais atento, focado e concentrado.

Atos de poder

Fundamenta-se na eleição de uma nova maneira de se comportar diante de um condicionamento. Inicia-se por um hábito simples, que não envolva grandes esforços e comprometimento. Que seja fácil de substituir e sobrepor disciplina. Quando o novo comportamento for inserido ao cotidiano de forma automática, estará na hora de escolher um novo modo de executar um outro hábito. Desta maneira, sucessivamente, trocaremos velhos comportamentos por novos, mais inteligentes, saudáveis, proativos e competitivos, numa espiral ascendente de alterações de conduta ilimitada.

Vitalidade física

Objetiva resgatar uma condição física de agilidade, reflexos, força e flexibilidade muitos semelhantes à de um caçador pré-histórico. Quanto mais vitalizado sentir-se, menos justificativas um ser humano criará, consciente e principalmente, inconscientemente, para não ser disciplinado e concentrado.

Na natureza, os indivíduos fisicamente mais bem condicionados atingem uma condição natural de liderança e prioridade. O Primata-sapiens acrescentou aos atributos físicos também a inteligência. Quando unimos estas qualidades à disciplina, concentração, criatividade e inovação, estaremos aparelhado-nos para atingir um grau de excelência profissional e existencial sem igual, passando a atuar como indivíduos valorizados.

Cultivando a concentração

Diante de hábitos dispersivos tão arraigados no comportamento humano, se faz necessário um treinamento de técnicas de concentração para mudar o condicionamento.

Existem técnicas diretas e indiretas para reeducar a concentração. Entre as indiretas está o exercício em manter a atenção focada sobre alguma ação, como dirigir, exercitar-se ou escrever, por exemplo. Enquanto realiza a tarefa, expande-se a consciência de maneira a acompanhar todas as qualidades, físicas, mentais, intuitivas e emocionais envolvidas na empreitada.

Este abarcamento psicofísico resulta, entre outras vantagens, o combate ao retrabalho, recondicionando-nos a executar qualquer tarefa da melhor forma possível, uma única vez. Com o tempo, isto resultará na otimização plena de tempo e energia na execução de qualquer atividade.

Os reflexos deste tipo de comportamento acabarão por remodelar indiretamente o cérebro do indivíduo, induzindo-o a manter-se sempre focado.

Para exercitar diretamente concentração, necessitamos bloquear algum pequeno tempo diário e imobilizar confortavelmente seu corpo, extraindo as tensões, aquietar as emoções com a equalização respiratória e alinhar as ondas mentais com os exercícios como manter a atenção sobre uma única imagem mental durante alguns minutos. Esta combinação técnica atua diametralmente sobre o cérebro, modificando-o e, com isso, substituindo os hábitos mentais dispersivos por um comportamento focado.

Mas o segredo está na disciplina. É o costume de executar diariamente os novos modelos de comportamento que induzirão o corpo e psiquismo a adotá-los definitivamente.

Aproveite para conhecer mais sobre o tema na palestra que ocorrerá na escola no dia 29 de agosto de 2018, às 21h, sobre Foco e Concentração.

 

Fonte: http://www.jorismarengo.com/2018/05/22/os-aliados-da-concentracao/

Relacionamento Humano

WhatsApp Image 2018-08-14 at 21.36.02

Relacionamento Humano

Com quantas atrocidades sociais, sejam elas físicas, emocionais ou psicológicas você se depara por dia?

Será que é esse o mundo do qual quer fazer parte?

Já sabe como é que pode fazer a diferença na atual sociedade?

Pois bem, a sociedade é constituída por indivíduos, e por isso mesmo cada um dos seus indivíduos e estes por sua vez são a sociedade. Ela é real.

O objetivo da sociedade é a felicidade pública – através da solidariedade em busca de um mundo comum com atitudes de relacionamentos em alta performance.

Por esse mesmo motivo vou destacar 4 dos principais relacionamentos pessoais, enumerando as suas características e quais os momentos da sua vida em que estes relacionamentos são mais importantes.

Mas antes esclareço dois conceitos:

Comunicação interpessoal: é o relacionamento entre pessoas, caracterizado através dos eventos ou acontecimentos que se verificam no lar, na escola, na empresa, na igreja, etc.

Comunicação intrapessoal: é a comunicação que mantém consigo mesmo. É o diálogo interior. Exemplos: a oração, a meditação, o autoestudo, etc.

Os 4 principais tipos de relacionamentos

Os relacionamentos familiares, são por ordem cronológica os primeiros que o ser humano tende a desenvolver. Nestes relacionamentos os membros estão interligados por laços familiares. É importante destacar o papel deste tipo de relacionamentos, que vão sem dúvida marcar toda a sua vida e a maneira como você vai se comportar nos restantes.

Acrescento ainda que são dos poucos que têm o potencial de durar para toda a vida, sendo dos que deverás ter mais cuidado em preservar.

Os relacionamentos de amizade estão presentes na vida de qualquer ser humano, ainda que de diferente modo. Dentro deste tipo de relacionamento pode haver muitos outros conceitos ligados ao de amizade, como por exemplo o melhor amigo.

Estes relacionamentos são desenvolvidos maioritariamente na fase da adolescência, onde o ser humano tende a valorizar como sendo os seus principais. É importante destacar que os relacionamentos de amizade vão mudando ao longo dos anos, até como o próprio conceito de amigo.

Na fase da adolescência, com a supremacia dos relacionamentos de amizade, os relacionamentos familiares tendem a atenuar-se, mas ainda assim estão presentes constantemente na sua vida.

Em 3º, os relacionamentos amorosos. Como em todos os tipos de relacionamentos, eles passam por inúmeras fases. O amor por assim dizer acontece desde muito cedo, mesmo que sob algumas características imaturas. Com o tempo vai evoluindo e manifestando-se de diferentes maneiras. Dentro do relacionamento amoroso inclui-se sentimentos como o amor, a paixão e o desejo.

Por fim, os relacionamentos que se estabelecem no trabalho, também chamados de relacionamentos laborais. Eles são um tipo de relação que está totalmente ligada a uma atividade, neste caso o trabalho. Este tipo de relacionamento é imprescindível na vida de qualquer ser humano.

Os relacionamentos no trabalho são desprovidos de laços afetivos, onde uma relação mais racional e contida é privilegiada. Como estão totalmente ligados à atividade laboral, estes relacionamentos podem durar o tempo que permaneceres durante esse trabalho, dando espaço e hipóteses para conheceres melhor as pessoas que interagem contigo, podendo até evoluir para um relacionamento de amizade ou amoroso.

É importante desenvolver cada um destes tipos de relações pois são imprescindíveis e necessários na sua vida e na de todos os seres humanos.

Lembre-se que existem vários fatores que condicionam as relações e que podem deturpar a visão do conceito de relação. Por isso mesmo é fundamental estudar as relações interpessoais.

O ser humano é feito do ambiente em que vive, e que é gerado por necessidades básicas, as quais motivam ou não para exercer determinadas tarefas, sejam as necessidades fisiológicas como alimentação, sono, atividade física, satisfação sexual, etc. ou as necessidades psicológicas como segurança interna, participação, autoconfiança e afeição. Tem ainda as necessidades de autorrealização como ímpeto para realizar o seu próprio potencial e estar em contínuo autodesenvolvimento.

Relacionar-se é dar e receber ao mesmo tempo, ou seja, é estar aberto para o novo. É a capacidade de escolher, de desenvolver uma visão para você mesmo, reescrevendo a sua vida, iniciando um novo hábito ou abandonando um antigo.

Desde sempre a convivência humana é difícil e desafiante. Seguem alguns exemplos de ações negativas e positivas.

 

AÇÕES NEGATIVAS:

  • COMODISMO: torna tudo “morno” e sem sal
  • JULGAMENTO: destrói imediatamente qualquer relacionamento
  • IRRITAÇÃO: transfere a carga de algo errado para outra pessoa
  • LEVIANDADE: desconsidera que os outros têm sentimentos e preocupações
  • MENTIRA: acaba com a confiança entre duas pessoas
  • CRÍTICAS: forma uma “muralha da China” nos relacionamentos

 

AÇÕES POSITIVAS:

  • ACEITAÇÃO: compreende que as pessoas são falhas e precisam de ajuda
  • OUVIR: permite entender os sentimentos dos outros
  • PACIÊNCIA: permite suportar os outros
  • ELOGIAR: auxilia nos laços de simpatia mútua
  • INTERESSAR-SE: mostra à outra pessoa que ela pode “contar contigo”
  • SORRIR: o exercício mais relaxante e simpático que tens

Fica agora a pergunta: Com quais ações você quer rodear e pautar em cada um dos seus relacionamentos?

Se você deseja conversar sobre isso venha participar do encontro na nossa escola chamado Pontos de Vista. Amanhã o assunto é sobre Bom Relacionamento Humano.

Fonte https://www.escolaeduardocirilo.com/blog-viver-em-alta-performance/atitudes-relacionamentos-alta-performance

Administração do stress

stress2

 

Administração do stress

 

Gostaria de te convidar para uma reflexão. O que mais consome a sua energia e vitalidade hoje em dia?

Ouço constantemente de meus alunos e amigos sobre as dificuldades em conciliarem todas as tarefas e compromissos do dia a dia, o que gera tensão e desconforto, exaurindo assim as suas forças.

Se este é o seu caso, saiba que há formas de conduzir sua vida por um caminho muito mais leve, produzindo e realizando muito mais, pois acredito que podemos deixar nossa marca no mundo através de nossos feitos.

Utilizo dois pilares para isso: um se baseia em como recarrego minhas baterias para colocar em prática tudo o que eu desejo e acredito; o outro, na forma como encaro os desafios.

O stress ocorre quando um desafio exige mais energia do que você tem disponível. Entendido isso, é possível gerenciá-lo ampliando a força interna para enxergar o problema de cima para baixo. Para isso, utilizo uma metodologia que inclui técnicas corporais que vão promover um elevado nível de autoconhecimento, respiratórios que ampliam sensivelmente a quantidade de energia e vitalidade, além da meditação que aprimora a concentração e aumenta a quantidade de insights decisivos para uma boa tomada de decisão.

O outro caminho é mudar o mindset. Normalmente, agimos por impulsos que estão alicerçados em condicionamentos arraigados há muito tempo e que em geral não são a saída mais inteligente. Observe-se. Desta forma, será possível escolher de forma consciente como quer reagir a cada situação.

10 COMPORTAMENTOS PARA A ALTA PERFORMANCE:

  1. Ouça a sua intuição.
  2. Perceba a sua respiração.
  3. Assuma a responsabilidade, sempre.
  4. Selecione seus pensamentos.
  5. Mantenha emoções agradáveis.
  6. Dê o seu melhor em cada situação.
  7. Não tenha medo de errar.
  8. Crises criam oportunidades.
  9. Crie a sua realidade de forma positiva.
  10. Distribua sorrisos.

Essa é uma reportagem que saiu no Jornal O Santista, escrito por Jefferson Greco Empreendedor do DeROSE Method, que acredita que pode mudar o mundo, inspirando as pessoas a se transformarem.

Confira no link https://www.osantista.com.br/edicao-impressa?edicao=21-07-2018

Afinal, o que é Pão de Fermentação Natural?

pão 2

Afinal, o que é Pão de Fermentação Natural?

Quem não gosta de um pãozinho crocante por fora, macio por dentro? Pode ser francês, tipo italiano, ciabatta, pão sírio, pão de forma… são muitas as variedades. Agora, a nova moda é o pão de fermentação natural.

É um pão que não leva nenhum tipo de aditivo químico ou conservantes. Ele tem como base o fermento natural, que é desenvolvido basicamente com água e farinha. Esses dois ingredientes misturados, com a ação de micro-organismos, transformam-se em um fermento natural.  Mas não pense que é fácil assim de fazer, é um processo artesanal, que leva alguns dias para ficar pronto e requer muito cuidado e dedicação.

Esse fermento natural é conhecido por diversos nomes: levain (fermento em francês, se pronuncia “levãn”), sourdough starter (inglês), lievito naturale ou pasta madre (italiano), masa madre (espanhol), massa lêveda (Portugal) ou massa azeda.

Depois de pronto, pode ser utilizado em praticamente qualquer receita de massa de pão.

Para fazer um pão com este fermento é preciso ter muita paciência e respeitar o tempo que a massa precisa para crescer, por ser um processo natural, leva muito mais tempo que um pão feito com fermento industrializado.

Ele possui um aspecto rústico, um sabor incomparável, fica macio por dentro e muito crocante por fora.

Origem do fermento natural

A fermentação natural está longe de ser uma novidade, é um processo utilizado desde a produção dos primeiros pães. O registro mais antigo é de 3.700 AC, mas sua origem provavelmente está relacionada com o início da agricultura. Foi somente nos últimos 150 anos que o fermento industrializado foi desenvolvido e logo passou a ser amplamente empregado na produção de pães.

Benefícios do pão com fermento natural

  • Seu sabor é incomparável ao do pão tradicional;
  • Possui um índice glicêmico mais baixo do que outros pães;
  • Sua digestão é mais fácil, até mesmo para aqueles que são sensíveis ao glúten, devido a sua fermentação mais lenta;
  • Pode ser armazenado por mais tempo, pois o ácido acético que inibe o crescimento de bolor é produzido na fabricação de fermento;
  • Aumenta o teor de bactérias benéficas no intestino;
  • Possui uma série de nutrientes devido a complexidade de sua composição.
  • Apesar da aparência mais rústica (devido a casca crocante) ele é muito mais leve.
  • Cuidado! Você não vai querer parar de comer!

Comer um pão quentinho, saindo do forno, tem seu valor!

Se você quer aprender a fazer esse pão ou apenas experimentar seu delicioso sabor, participe da Oficina Gastronômica na nossa escola.

Dia 10/8/2018 – às 20h

Workshop: Pão de Fermentação Natural

Fontes:

https://www.ativo.com/nutricao/o-que-e-pao-de-fermentacao-natural/

https://amopaocaseiro.com.br/fermento-natural/

Mantra

Sprache - Schall

Mantra

Vocalização de sons e ultrassons

 

Mantra pode-se traduzir como vocalização. Compõe-se do radical man (pensar) + a partícula tra (instrumento). É significativa tal construção semântica, já que o mantra é muito utilizado para se alcançar a “supressão da instabilidade da consciência”, denominada meditação, a qual consiste na parada das ondas mentais.

Mantra pode ser qualquer som, sílaba, palavra, frase ou texto, que detenha um poder específico. Porém, é fundamental que pertença a uma língua morta, na qual os significados e as pronúncias não sofram a erosão dos regionalismos, modismos e outras alterações constantes por causa da evolução da língua viva.

Para quê praticar mantra

Existem mantras para facilitar a concentração e a meditação, mantras para serenar e para energizar, para adormecer e para despertar, para aumento do fôlego e para educar a dicção, para desenvolver chakras e despertar a kundaliní, para melhorar a saúde e até para matar em casos extremos de autopreservação do yôgi, quando atacado. Leia a esse respeito no nosso livro Quando é preciso ser forte o caso do velho sábio que, para defender-se, teria matado um facínora na Índia, emitindo apenas um mantra.

Na prática do SwáSthya Yôga, o mantra é utilizado para aplicar a vibração de ultrassons no desesclerosamento de nádís, que são os meridianos por onde o prána circula em nosso corpo físico energético. Na maior parte das pessoas, tais nádís estão obstruídas por maus costumes alimentares que as entopem da mesma forma que as artérias, e também por maus costumes emocionais, dando vazão a uma enorme variedade de sentimentos inferiores, pesados e viscosos.

Para desenvolver determinados vórtices de energia do nosso corpo, os mantras atuam por ressonância, reproduzindo os ultrassons que têm a ver com estas partes, fazendo com que elas reajam ao estímulo. É o mesmo fenômeno que se observa quando afinamos dois instrumentos de corda e depois, tocando um deles, o outro, deixado a uma certa distância, toca sozinho, por simpatia.

Segundo a Física, a ressonância tem tanta força que uma tropa não deve atravessar pontes marchando. Se o fizer, a ponte pode ruir, como já aconteceu várias vezes. Todo militar sabe disso, mas poucos sabem que tal procedimento está intimamente ligado à arte dos mantras.

Como não conseguimos escutar os ultrassons, os Mestres do passado criaram determinados sons que têm a propriedade de reproduzi-los simultaneamente, tal como se os ultrassons acompanhassem o vácuo dos sons audíveis. Assim, pessoas comuns passam a ter a capacidade de emitir vibrações que atuem nas áreas mais recônditas da nossa fisiologia energética.

Não adianta ler os mantras escritos, nem mesmo em pauta musical. É pre­ciso escutá-los atentamente e buscar reproduzi-los exatamente da mesma forma. É necessário que um Mestre experiente os ouça e corrija sucessivas vezes, até que os mantras fiquem precisamente corretos.

Por isso, na Índia, alguns Mestres de mantra ficam furiosos quando os ocidentais lhes perguntam com que nota musical devem fazer o mantra ÔM.

– Mantra não é música! – Vociferam eles, cheios de razão, já que o ÔM e a maioria dos mantras não tem nada a ver com música.

Assim sendo, saber que tal mantra atua em tal parte do corpo, não resolve absolutamente nada, se o praticante não tiver um Mestre que, além de entoar cada um, ainda esteja disponível para corrigir sua vocalização.

Tipos de mantras

Kirtan

Significa cântico. Kirtan é um tipo de mantra que, este sim, possui várias notas musicais, várias palavras e possui tradução. É o mais próximo que se pode chegar do conceito de música. Kirtan é um mantra extroversor, de atuação mais psicológica que fisiológica, e é menos poderoso que o japa.

Não confundir com bhajan, um cântico religioso que não é considerado mantra. Contudo, mesmo os hindus leigos nessa matéria, às vezes, fazem confusão.

 

Japa

Significa repetição. É a “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. O japa ideal tem uma só nota musical, uma só palavra, uma só sílaba e, de preferência, não tem tradução alguma. Contudo, pode-se executar um kirtan como japa. Para isso, acrescenta-se repetição inten­siva. Não será um japa perfeito, mas pode ser classificado como japa sem risco de erro. Japa é um mantra introversor, de atuação mais fisi­ológica do que psicológica, e é muito mais forte que o kirtan.

 

Os mantras, quando acompanhados pela percussão, tornam-se a essência da musicalidade indiana. O mantra é um elemento importante da cultura hindu e na prática do Yôga.

No dia 8 de agosto de 2018, às 21h, teremos um workshop de Mantra e Percussão na nossa escola. Os alunos receberão treinamento nos kirtans e de como tocar alguns instrumentos.

Texto baseado no artigo do DeRose sobre Mantra

https://www.metododerose.org/blogdoderose/cursos/mantra-capitulo-do-meu-livro-tratado-de-yoga/#more-11918

http://yoga.org.br/curso/mantra-com-percussao/

A Medalha com o ÔM

om

A MEDALHA COM O ÔM

DISTINTIVO DO YÔGIN

Um dia sonhei com um sábio hindu ofertando-me um objeto carregado de força ancestral, algo que se materializara em meio a um torvelinho de luz dourada na palma da mão dele, bem diante dos meus olhos.

Quando a névoa de luz se dissipou e pude ver melhor, era uma medalha muito bonita, com aparência bem antiga e gasta pelo tempo, detentora de uma magnificência e dignidade tão evidentes que saltavam aos olhos. No centro, pude reconhecer o ÔM, símbolo universal do Yôga, em sânscrito, escrito em alfabeto dêvanágarí.

Foi apenas um sonho, sem nenhuma pretensão a precognição. Mas um sonho nítido e forte, cuja lembrança permaneceu clara em minha memória por muito tempo.

Passaram-se os anos. Fui inúmeras vezes à Índia, por mais de vinte anos. Nos Himálayas, frequentei Sivánanda Ashram, onde tive aulas de diversas modalidades de Yôga. Lá havia uma biblioteca com obras raras e preciosas, algumas bem antigas. Foi remexendo num desses livros que encontrei o ÔM com um traçado que me fascinou. Era esteticamente superior aos que habitualmente aparecem na maior parte dos livros. Havia uma harmonia e um equilíbrio impressionantes. Deixei-me viajar por dentro de suas linhas de força e entrei em meditação profunda enquanto o contemplava.

Terminada a experiência, eu estava arrebatado por esse símbolo incrivelmente forte. Não resisti e fotografei-o. Décadas após, descobri que muitos anos antes de ir à Índia eu já havia encontrado um ÔM praticamente idêntico e que me fascinara igualmente, num livro do próprio Sivananda, em edição mais recente. Depois, esqueci-me dele e fui reencontrá-lo no mosteiro dos Himálayas. Certamente, por estar sozinho naquele ambiente meio mágico, isso terá produzido um efeito emocional diferente ao reencontrar o traçado do ÔM com o qual eu já naturalmente percebera tanta sintonia.

Voltando da Índia, mandei fotolitar e ampliar o ÔM. O resultado foi surpreendente. As pequenas irregularidades da impressão antiga sobre o papel rústico ficaram bem pronunciadas. O contorno do Ômkára adquiriu uma aparência ainda mais ancestral e desgastada pelo tempo.

Nenhum desenhista ocidental ou moderno tocou nesse símbolo. Ficou tão bonito que os meus alunos e demais instrutores, todos, queriam uma cópia. Começaram a surgir medalhas de ouro, mandadas fazer pelos alunos, tentando imitar esse nobilíssimo ÔM, mas, evidentemente, os ourives não conseguiam e, com frequência, ocorriam erros graves no traçado ou nas proporções. Tais incorreções eram imperceptíveis aos leigos, não obstante, capazes de alterar suas características. Quando os não-iniciados mandam executar uma medalha com o ÔM normalmente incorrem em alguns erros. Para evitá-los, atente ao seguinte:

  1. a) Habitualmente os profissionais de ourivesaria que executam o ÔM não entendem nada do símbolo que estão tentando reproduzir e terminam por cometer erros grosseiros, muitas vezes fazendo desenhos de mau-gosto e que perdem a característica original, anulando seus efeitos positivos.
  2. b) Fora isso, pelo fato de o ouro ser metal caro, faziam-no recortado por medida de economia. Ora, era comum que a medalha virasse, ficando com a imagem invertida, oferecendo à percepção visual do observador uma antítese do yantra ÔM! Como o poder dos símbolos traduz-se pela leitura inconsciente dos arquétipos codificados em setores obscuros da mente humana, essa inversão gerava o oposto do que os portadores daquelas medalhas esperavam. Não sei se por coincidência, mas a maioria das pessoas que utilizavam esse ÔM que virava e ficava invertido, terminava por dar sinais de falta de sintonia.

Por essas razões achei mais prudente assumir a responsabilidade de mandar cunhar as medalhas, com o ÔM forte que tinha trazido dos Himálayas, obedecendo ao design da medalha com a qual havia sonhado anos antes e com a mesma liga de metal que costuma ser utilizada no artesanato indiano, o brass (liga de cobre e zinco). Assim, mandei cunhar uma medalha¹ em forma antiga, tendo de um lado o ÔM circundado por outras inscrições sânscritas…

                               om 2 (2)

… e do outro lado o ashtánga yantra, símbolo do SwáSthya Yôga.

                                                                    om 3

¹ Em respeito ao leitor e para preservar nossa boa imagem, sentimo-nos na obrigação de informar que pessoas desatentas estão comercializando, sem a nossa autorização, cópias piratas desta medalha, algumas com péssimo acabamento e com erros nas inscrições sânscritas. Informamos que a Medalha com o ÔM está registrada no INPI como propriedade industrial e na Biblioteca Nacional como propriedade intelectual. Se alguma empresa desejar autorização para reproduzi-la deverá entrar em contato conosco pelo telefone (11) 3081-9821, celular (11) 99976-0516 e-mail: presidente@metododerose.org.

Quando a primeira medalha ficou pronta, emocionou a todos pela sua superlativa beleza, harmonia, sensibilidade e força. Para começar, era uma obra de arte. Nunca antes eu vira uma medalha com o ÔM tão bonita em parte alguma do mundo, nem na própria Índia.

Mesmo na Índia as pessoas nos perguntam onde conseguimos uma peça com essa autenticidade tão marcantemente estampada. Quando tiramos a medalha do pescoço e lhes presenteamos, comovem-se, seus olhos ficam úmidos e agradecem duas ou três vezes. Anos depois, se nos reencontramos, vemos que ainda a estão usando e que lembram-se do nosso nome.

Aliás, em todos os países por onde o SwáSthya Yôga se expandiu, o ato de tirar a sua medalha do pescoço e presentear com ela a alguém, ganhou um forte significado de homenagem especial e de uma declaração formal de amizade verdadeira. Esse ato tão singelo tem adquirido um sentido muito profundo de carinho e quem recebe a medalha torna-se, para sempre, um amigo leal e sincero.

Graças ao costume de portar a medalha, as pessoas estão o tempo todo se descobrindo, encontrando-se, conhecendo-se, ampliando seu círculo de amizades nos aeroportos, nos trens, nos ônibus, nos teatros, nos shows, nas universidades. Yôga significa união. Pois a medalha com o símbolo do Yôga está cumprindo muito bem essa proposta de unir as pessoas afins!

O USO DA MEDALHA COM O ÔM

Evidentemente, portando um tal símbolo, estabelecemos sintonia com uma corrente de força, poder e energia que é uma das maiores, mais antigas e mais poderosas da Terra. Por isso, muita gente associa com a ideia de proteção o uso de uma medalha com o símbolo do ÔM. Embora sejamos obrigados a reconhecer certa classe de resultados dessa ordem, entendemos que tal não deve ser a justificativa para portar a medalha, pois, agindo assim, ficaríamos susceptíveis de descambar para o misticismo e não queremos isso. Deve-se usá-la de forma descontraída e se nos dá prazer; se estamos identificados com o que ela significa e com a linhagem que representa. Não por superstição nem para auferir benefícios.

Texto do livro Ser Forte, autor DeRose.

Na nossa escola temos a medalha de prata e bronze, em 3 tamanhos.

O Poder da Amizade

 

IMG-20180710-WA0000

“A amizade é uma das formas de aprimoramento do ser humano”, afirma a psicóloga Marina Vasconcelos. Ela rompe as fronteiras do preconceito e torna-se essencial, seja entre colegas, vizinhos, pais e filhos, irmãos, namorados ou marido e mulher. E o teu corpo agradece: ter amigos traz benefícios tanto para a saúde mental como física.

O Poder da Amizade

Como disse o filósofo e político romano Cícero, ter um amigo é ter um segundo eu.

Os amigos exercem influência sobre nós há pelo menos 3 mil anos. É mais ou menos dessa época o registro de um ditado assírio: “Diz-me quem são os teus amigos e eu direi quem tu és”.

É tão arraigada a noção de que as amizades ajudam a definir os caminhos na vida que um dos mais bem-sucedidos livros de autoajuda de todos os tempos (mais de 15 milhões de cópias vendidas no mundo inteiro) carrega o sugestivo título de Como fazer amigos e influenciar pessoas. Escrito em 1936 pelo palestrante motivacional americano Dale Carnegie, o texto resiste até hoje como um manual para te dares bem na vida. Mas finalmente está a tornar-se desatualizado.

Os 8 benefícios da amizade

  1. Menor risco de doenças

Pesquisas confirmam: o teu corpo fica mais imune a problemas de saúde. Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos EUA, identificaram que pessoas muito solitárias ao longo da vida tendem a ser mais indefesas, com más noites de sono e a sofrer mais com as complicações enfrentadas ao longo da vida com o stress.

 

  1. Vida mais longa

Os teus amigos mal devem imaginar, mas a presença deles melhora 50% a chance de viveres mais. O dado vem de pesquisadores da Brigham Young University, nos EUA, que analisaram 148 estudos feitos durante sete anos e meio. Segundo eles, quem passa grande parte da sua vida sem interações sociais tem um prejuízo relacionado à longevidade que pode ser comparado a fumar cigarros todos os dias, ser alcoólatra ou ser obeso.

  1. Recuperação mais rápida

Cientistas que estudaram 42 casais em que um cônjuge possuía algum ferimento concluíram que as pessoas que se sentiam hostilizadas pelo parceiro demoraram o dobro de tempo para se curarem. O estudo mostrou ainda que o nosso bem-estar social pode determinar se vamos ter uma recuperação rápida ou demorada de ferimentos mais graves ou mesmo de uma cirurgia.

  1. Mais positivismo no dia a dia

A probabilidade de sorrir mais para a vida cresce até 60% nos indivíduos que conviviam com pessoas alegres. É um efeito dominó: se tu és otimista, a chance de teu amigo e até do amigo do teu amigo também ficarem felizes é muito maior.

  1. Saúde para o coração

Vínculos afetivos estimulam as emoções positivas, certo? Essas emoções, por sua vez, influenciam nos batimentos cardíacos. As pessoas normalmente felizes, entusiasmadas e satisfeitas têm menos chance de serem depressivas e apresentam um risco 22% menor de ter infarto ou desenvolver doenças cardíacas.

  1. A melhor forma de partilhar sentimentos

Essa é uma necessidade natural de todo ser humano: partilhar experiências e sensações. A cumplicidade explica a ligação que torna os amigos inseparáveis. A compreensão que existe nesse tipo de relacionamento é profunda e marcada por muitas descobertas em conjunto, diferente do que acontece no ambiente familiar onde as posições estão marcadas desde sempre.

  1. Relações amorosas duradouras

O psicólogo John Gottman, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, afirma que ser amigo é uma espécie de “cola” que une marido e mulher num casamento estável. Ele só concluiu isso depois de duas décadas de pesquisa. “Os casais mais felizes, com relacionamentos de longo prazo, falavam da presença da amizade no casamento e sobre como amar e fazer amor é uma extensão dessa amizade”, conta o especialista. Ainda de acordo com ele, 70% da paixão, do romance e do sexo para os homens decorre da amizade, e a percentagem é ainda maior para as mulheres.

  1. Ajuda-te a estar em forma

Quem tem amigos tem menor propensão a ter depressão e ansiedade, como já vimos, e esses dois problemas são fatores que desencadeiam muito sedentarismo e alimentação descontrolada. Quando estamos livres da ansiedade e da depressão, conseguimos balancear melhor a nossa dieta. Outro fator que ajuda a manteres-te em forma relacionado à amizade é o aumento da probabilidade de te exercitares, pois amigos que se apoiam no exercício físico conseguem-se manter ativos por mais tempo, um ‘empurra’ o outro a não desistir.

Estes 8 benefícios, não são nada mais do que o apanhado que vejo a acontecer com os meus alunos há medida que vão evoluindo no DeROSE Method.

É incrível, porque há pouco tempo escrevi que a vida não é uma corrida, mas sim uma jornada em que não existiam fórmulas mágicas e que evoluindo 1% por dia conseguirás resultados a médio prazo nunca imaginados.

Ora aqui está o resultado de colocares em prática um dos conceitos do DeROSE Method, que só se ensina pelo convívio: os bons relacionamentos humanos!

Mas afinal o que é a amizade? Investigadores indicam que a amizade centra-se em 8 características.

As 8 características da amizade

  1. Prazer– Os amigos sentem prazer pela companhia uns dos outros.
  2. Aceitação– Os amigos aceitam-se sem se tentarem mudar, aceitam-se incondicionalmente.
  3. Respeito– Os amigos confiam uns nos outros, sabem que não se vão magoar.
  4. Confiança– Os amigos mostram consideração e respeito pelos sentimentos mútuos.
  5. Ajuda mútua– Os amigos ajudam-se mutuamente, nos bons e maus momentos.
  6. Confidência– Os amigos partilham os seus sentimentos e segredos íntimos.
  7. Compreensão– Para os amigos é importante a compreensão mútua.
  8. Abertura– Os amigos podem ser genuínos, sem se inibirem por possíveis juízos pejorativos.

A influência até aos 3 graus de separação

A conclusão é desconcertante. O nosso comportamento é moldado, em boa medida, por gente que nem sequer conhecemos, da qual estamos afastados por 2, até 3 graus de separação.

O sociólogo Nicholas Christakis, professor da Universidade Harvard e coautor do livro Connected – The surprising power of our social networks and how they shape our lives, afirma que podemos sofrer a influência de pessoas que não conhecemos – e influenciá-las – porque comportamentos e emoções são passados para a frente por meio dos nossos amigos.

Eles chegam a pessoas que estão até três níveis distantes de nós: o amigo do amigo de nosso amigo. A transmissão de sentimentos pode ser explicada porque o nosso cérebro é naturalmente programado para imitar gestos. Sorrimos quando outras pessoas sorriem. E o comportamento é “transmissível” porque passamos a achá-lo adequado quando um amigo de quem gostamos muito o adota.

Olha só o que descobri ao pesquisar para o tema.

1 curiosidade

O contato social tem dose mínima indicada. Diversas pesquisas sugerem que, para manter a saúde, deves interagir com outras pessoas por pelo menos seis horas por dia. Esse contato aumenta a sensação de bem estar e diminui preocupações e o stress.

Missão impossível?

Procura preencher a tua cota diária com uma conversa no café, almoço com os colegas do trabalho, conversas ao telefone, enviar e-mails e mensagens sms, etc.

E agora?

Observa o tipo de amizade que tens atraído para ti mesmo e, se tiveres alguma questão em relação, reflete o porquê disso tudo. Honestamente, pergunta-te também que tipo de amigo(a) tens sido? No final, vê se o que desejas para a tua vida está compatível com as amizades que tens.

Evoluir é o caminho, já pensaste onde estás nisto tudo?

Toca a aplicar estes conceitos!

Ah, e não te esqueças

Agora é a melhor hora para começares a Viver Em Alta Performance. Aplica o que acabaste de ler e transforma a tua vida positivamente. É altura de passares para o próximo nível. Acredita em ti, não aceites desculpas e faz acontecer.

 

Texto de Eduardo Cirilo

https://www.escolaeduardocirilo.com/blog-viver-em-alta-performance/relacionamentos-amizade